Lady Laura (Por Gilberto Braga Machado)

Sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016, às 13h40.
ladylauraerc
 

Por Renata Mofatti

Seu nome era Laura Moreira Braga, nascida em mimosa, salve Mimoso do Sul, mãe do Rei Roberto Carlos, e dos filhos: Lauro, Carlinhos e Norminha. Foi casada com o relojoeiro Robertino Braga natural de Cachoeiro do Itapemirim, e morreu dia 17, sábado, aos noventa e seis anos, no Hospital Copa d’Or em Copacabana, Rio de Janeiro. Dona Laura tocava violão, prática não muito comum entre as moças daquele tempo. Ensinou a Roberto Carlos os primeiros acordes desse instrumento. Certa vez disse: “mostrei aos meus filhos as primeiras posições, e ensinei-lhes notas como lá maior, fá menor, e assim por diante. A partir daí, o talento natural de Roberto se impôs e ele buscou se aprimorar”.

Dona Laura era filha de Joaquim Moreira, que era português, e sua mãe Anna era de ascendência indígena e da mãe África. A mãe do rei era costureira, e conquistou uma boa clientela, até porque na época, roupas fabricadas eram raríssimas. Roberto Carlos do signo de Áries, nasceu no dia do Índio, 19 de abril. Há quem afirme que ele nasceu em Santo Antonio, que em tempos pretéritos, tinha topônimo popular conhecido como, Santo Antonio das Garruchas. Há controvérsias, se o rei Roberto Carlos, nasceu realmente em Santo Antonio. Nessa altura da vida, a mídia já consagrou que ele nasceu em Cachoeiro do Itapemirim, e assim será.

Roberto Carlos, diante da dificuldade financeira familiar, declarou certa vez: O que nos faltava em dinheiro, minha mãe compensava com muito carinho e compreensão. Lembro-me até hoje, que enquanto meu pai saia para trabalhar, ela ficava horas inteiras comigo, procurando entender meus problemas.

Dona Laura de fato, reservava mais tempo para o filho caçula. Eis que, numa manhã ensolarada de domingo, era o dia da Festa magna de Cachoeiro, dia do padroeiro – São Pedro – 29 de junho de 1947 – Roberto Carlos sofre um acidente – ao cair sob as rodas de um trem da Estrada de Ferro Leopoldina Railway – sua perna é decepada na altura da canela – o local do acidente, foi quase em frente o então cinema Broadway. Laura ficou desolada. Mas o tempo foi se incumbindo ,e superaram o trauma, e a vida foi em frente. Roberto já cantava e desde cedo tinha o apelido de Zunga. A Rádio Cachoeiro fazia uma verdadeira maratona, levando seus cantores nos eventos, nas festas religiosas, cidades vizinhs, era a famosa Caravana Musical. As cidades mais visitadas eram: Alegre, Guaçui, Marataízes e Mimoso do Sul. Sempre acompanhado da sua mãe Laura. Roberto Carlos começava a sua futura e promissora carreira como cantor.

Laura Moreira Braga tinha vários irmãos que aqui moravam em Mimoso do Sul, porém uma irmã dela se evidenciou, uma verdadeira Tereza de Calcutá, – guardadas as devidas proporções – tratava-se da abnegada enfermeira Antonica Moreira Luz, casada com o Sr.João Luz.

Antonica, tia de rei Roberto Carlos, tinha poucos recursos, chegou a adotar uma dúzia de crianças carentes. Convidado para se apresentar – Roberto Carlos aos 12 anos – em Mimoso do Sul, para cantar, na festa da cidade, no dia 15 de julho de 1953. Roberto Carlos passou diversas férias nessa cidade, na casa da Antonica, moradora na rua da Pratinha. Ele frequentou a Pedrinha junto com a molecada da época: Carlinhos Caçula, Elcio Rodrigues e outros.

Laura, foi sem dúvida uma mãe muito próxima e solidária ao seu filho, e ele retribuiu publicamente esse amor. Recentemente a sua gravadora – Sony Music – em Nova York, programou diversos shows – no Radio City Hall – em comemoração aos 50 anos de carreira. Diante da doença da Laura, chegou a cancelar algumas apresentações. Somente embarcou para os Estados Unidos, quando ela emitiu sinais de que estava melhor de saúde. Numa demonstração inequívoca do seu amor maternal, quando soube da sua passagem (como dizem os espíritas kardecistas, e família é praticante dessa doutrina) retornou imediatamente. Homenageou-a com a música Lady Laura, e há mais de 30 anos, eles moravam no mesmo edifício, na Urca, bairro do Rio de Janeiro.

Há tempos estou a escrever de que essa cidade está intimamente geminada ao Rio de Janeiro, por razões históricas. Um número imenso de famílias se mudaram para lá, quer pela vontade no aprimoramento cultural, quer por ter sido a capital federal, consequentemente maiores oportunidade de emprego e renda, ou quer pelo êxodo rural, provocado pela erradicação dos cafezais, acontecido nos anos sessenta.
Roberto Carlos a via todos os dias quando em casa estava. Conservava o velho hábito, de respeitar a simbologia materna, ao pedir bençãos antes de se recolher.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *