Acidente deixa quatro mortos no Sul do Estado

DSCF3040

Dois veículos bateram de frente na manhã de terça-feira (26), na BR 101-Sul, em Atílio Vivácqua, vitimando quatro pessoas.

Num dos veículos estavam pai e filho, que morreram preso às ferragens. No outro, seguia um casal, que também não resistiu à batida.

O acidente ocorreu por volta de 11h30 na altura do km 416, na localidade de Independência, envolvendo a caminhonete Ford Ranger, placa KXI-1970 e o utilitário Kia Bongo k-2500, placa ODD-8312.

Morreram na batida o ex-vereador Reinaldo Soares Viana, Celso Viana, 63 anos, sua mulher Zélia Aparecida Porto Viana, 49 anos, que estavam na caminhonete e os empresários Jean Cláudio da Silveira, 39 e Gerson Machado da Silveira, 70 anos, que eram pai e filho.

Chovia muito no momento do acidente. Uma testemunha contou que a caminhonete, que seguia no sentido Rio x Cachoeiro de Itapemirim, rodou na pista duas vezes e atingiu com sua lateral direita a frente do utilitário, que trafegava na direção contrária.

DSCF3025

Com o impacto, uma roda da caminhonete se soltou e foi parar no outro lado da pista, enquanto o veículo foi jogado contra o acostamento na contramão. A frente do Kia ficou completamente destruída.

Celso chegou a ser socorrido com vida pela equipe de resgate da concessionária que administra a rodovia, mas ele teve uma parada cardiorrespiratória e morreu dentro da ambulância, que não chegou a sair do local.
Parentes do casal foram ao local do acidente e entraram em desespero.

Familiares contaram que Celso havia acabado de sair de sua casa, em Presidente Kennedy, para uma consulta médica em Cachoeiro de Itapemirim. Sua mulher, que morreu presa às ferragens, foi acompanhar o marido.
Jean Cláudio, que conduzia o utilitário, e o pai eram proprietários de uma empresa em Cariacica que produz panelas, churrasqueiras e outras mercadorias em alumínio batido. O veículo estava carregado com peças a ser entregues.

A equipe de resgate do Corpo de Bombeiros chegou meia hora após a batida, mas teve que esperar a chegada da perícia, por volta de 12h50, para retirar os corpos das ferragens. O trânsito ficou lento, provocando fila de quatro quilômetros nos dois sentidos.

DSCF3042

TEXTO E FOTOS: Alessandro de Paula (A Tribuna)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *