Educação e Cultura

Crônica bairrista de Rodrigo Curty Pires: Meu Nome é Mimoso

Domingo, 29 de Novembro de 2020 às 03:48

Por Redação in Foco

8

… “no final das contas, as pessoas me perguntavam o meu nome eu sem medo e com muita alegria, tinha esquecido que me chamava Rodrigo e respondia todo orgulhoso: Meu nome é Mimoso!”

 

Hoje não vou falar de curtas, vou mudar um pouquinho da cantiga, como dizia meu velho…Vou falar de uma coisa que a principio ninguém presta muito a atenção, mas que vira rotina na vida de nós que fomos e voltamos e daqueles que foram e por lá ficaram e não perderam esse rótulo.

Sabe que rótulo que estou falando? O rótulo é MIMOSO! Isso mesmo queridos amigos, acontece mesmo, basta ir morar em outro lugar que rapidinho os colegas que arrumamos por lá esquecem de vez nossos nomes de batismo e passamos a ser conhecidos pelo nome de nossa cidade. Vou falar sobre esse tema atendendo o conselho de um amigo e jovem advogado, o Dr Diego Conti de Souza, filho desta terra, que foi estudar na capital e lá também com certeza virou mais um Mimoso entre tantos.

O que não falta é casos como esses que vou escrever, todo mundo vai ter algo parecido ou fato ocorrido, mas ser chamado de Mimoso é normal demais, concordam?

Quando fui morar fora daqui, fui estudar na capital, e depois em Nova Friburgo e Campos, estes no estado do Rio de Janeiro, quase joguei a identidade fora, não tinha jeito, todo mundo perguntava de onde você é? E claro que o Mimoso do Sul saía forte e pulsante na minha fala, bastava isso pra ser batizado, mas me orgulhava demais e me orgulho até hoje.

Certa vez vínhamos eu e o Rinaldo Resende (meu amigo e filho de nosso ex prefeito Fernando) andando pela calçada em Campos, indo pra Faculdade juntos, quando um colega gritou: “Oh Mimoso!”, olhamos os dois pra trás e perguntamos: ”Qual deles?” Ali vi que não era só eu o único, somos todos Mimoso do Sul !

Esse apelido me despertou uma coisa, passei a perceber quem eram os mimosenses de verdade, comecei a reparar quem gostava e quem não gostava. Gente confesso que tive muitas decepções, cheguei a conhecer algumas pessoas que quando chamados pelo apelido corrigiam imediatamente para seus nomes, sim tem aqueles que não gostam, respeitamos, mas o sentimento de bairrismo parecia que ficava esquecido ou ignorado.

Olha, sentia uma inveja boa nos colegas das cidades vizinhas, via nos seus olhos o amor por sua terra ao falar delas e vi muita gente daqui só criticando nossa pátria Mimoso do Sul, fiquei com raiva destes sabia?

Esta terra é única, é de verdade nosso berço, aqui demos os primeiros passos, aqui fizemos nossos primeiros amigos, aqui não usamos carteira pra ir na rua comprar alguma coisa, aqui somos filhos do fulano, somos conhecidos, somos quem somos!

Passei grande parte de meu tempo de vida estudantil sempre pensando em voltar pra cá, alguns me perguntavam: “Por que vai voltar?” Gente eu sempre acreditei nesse lugar, assistia meu irmão mais velho chorar de saudade de casa, colocar fotos na parede de sua casa do nosso Cristo Redentor, de nossa Estação Ferroviária. Desse sofrimento eu fiz questão de não sofrer e voltei!

Ser Mimoso é ser torcedor do Ypiranga ou do Independente, é lembrar das placas de carro amarela com iniciais BI, é ter estudado no Polivalente ou no Ginásio, é ter tocado na banda, é ter jogado muita pelada na rua, entre tantas outras coisas que nos caracterizam e nos fazem ter amor por esta terra.

Ser Mimoso não é somente ser carinhoso, ser Mimoso é acreditar que nesse lugar muita coisa boa vai acontecer, que nesse lugar muitos filhos vão contribuir para a prosperidade de nossa cidade e nação, ser Mimoso é ter garra, é ter fé, é ter a alegria de dizer que é daqui!

Gente, só sei de uma coisa, no final das contas, as pessoas me perguntavam o meu nome eu sem medo e com muita alegria, tinha esquecido que me chamava Rodrigo e respondia todo orgulhoso: Meu nome é Mimoso!

 

TEXTO: Rodrigo Curty Pires

Busca

Mimoso in foco 2013 - Todos os direitos reservados
renatoalcantara.com